sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Alvaro de Campos

Asneira? Impossível? Sei lá!
Tenho mais sensações do que tinha quando me sentia eu.
Sou um espalhamento de cacos sobre um capacho por sacudir.

Um comentário:

juanita disse...

Eh lindo êsse poema.